terça-feira, 23 de agosto de 2011

Verdades sobre os remédios caseiros em oncologia

A intenção inicial deste post era trazer embasamento científico para as crenças populares sobre algumas ervas utilizadas como “remédios caseiros” para pacientes oncológicos.

Mas, ao longo da minha pesquisa sobre o assunto fiquei surpreso ao ver a quantidade de estudos com os mais diversos tipos de ervas e percebi que seria impossível abordar todo o assunto em um post.  Assim, restringi a abordagem apenas as ervas com maior potencial terapêutico baseado em estudos clínicos; aqui faço a ressalva que nenhuma delas tem efeito comprovado no tratamento do câncer; e destaco quais podem interferir com o tratamento e, portanto, devem ser evitadas.

Quem tiver interesse de fazer uma pesquisa mais aprofundada sobre o tema sugiro consultar o site do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, onde há informações sobre inúmeras ervas e seus respectivos estudos para diversas patologias, e o site do National Cancer Institute sobre terapias complementares.

1) QUAIS ERVAS PODEM AJUDAR

1.1 Vegetais selecionados (Sun's Soup) – mistura de legumes e ervas liofilizadas, vendida nos Estados Unidos, que vem sendo estudada como terapia auxiliar no tratamento do câncer. Inclui os seguintes ingredientes: soja, cogumelos, feijão mung, jujuba, alho, cebolinha, lentilhas, alho-poró, hawthorn fruit, cebola, ginseng, angélica, dente de leão, raiz senegal, alcaçuz, gengibre, azeitonas, sementes de gergelim e salsinha.
Baseado em 1 estudo com animais e 2 estudos pequenos com pacientes portadores de Câncer de Pulmão. Diante dos resultados animadores, está sendo conduzido um estudo clínico randomizado.
Minha opnião: O nível de evidência é ruim, jamais uma droga seria aprovada baseada em resultados semelhantes. Mas, visto a ausência de toxicidade, baixo custo e não exigir do paciente uma mudança radical dos hábitos alimentares, pode ser uma terapia complementar ao tratamento oncológico.

1.2 Chá verde – provavelmente é o o produto fitoterápico mais usado entre pacientes com câncer.
Estudo entre pacientes com câncer de próstata e pulmão não mostrou atividade anti-tumoral. Um estudo que avaliou a ingesta de grandes quantidades de chá verde entre pacientes com neoplasia de ovário mostrou aumento da sobrevida.

Importante observar que o chá verde pode interagir com enzimas hepáticas responsáveis pelo metabolismo das drogas quimioterápicas, aumentando assim a toxicidade do tratamento ou diminuindo sua eficácia.

Minha opnião: O nível de evidência é ruim. Durante o tratamento com quimioterapia deveria ser evitado. Seu uso em pacientes que não estão em quimioterapia pode ser considerado.

1.3 Sho-saiko-to - mistura tradicional de ervas chinesas usada para pacientes com hepatite crônica e cirrose. Estudo em animais mostrou reduzir a proliferação das células do tumor do fígado. Um estudo clínico em pacientes com cirrose hepática demonstrou que pacientes que faziam uso dessa mistura tiveram menor incidência de hepatocarcinoma, principalmente entre pacientes com HbsAg negativo.

Minha opnião: O nível de evidência é regular. Recomendaria para pacientes com cirrose. O uso em pacientes com hepatocarcinoma é discutível.

1.4 Astragalus – Metanálise de 34 estudos concluiu que a adição desta erva à quimioterapia foi associada com melhora clínica, aumento da resposta e redução do risco de morte. Contudo, os estudos apresentavam falhas metodológicas que impedem conclusões definitivas.

Minha opnião: O nível de evidência é regular. Vou ler mais a respeito desta erva e talvez fazer um post apenas sobre ela, visto que os resultados são provocativos.

1.5 Ginseng – Um estudo sugere benefício do uso do ginseng americano (panax) no tratamento da fraqueza realcionada à quimioterapia.

Minha opinião: Nível de evidência fraco. Pode ser considerado para o tratamento da fadiga, sintoma este difícil de ser contornado pela terapia tradicional, para pacientes que não estão em tratamento com quimioterapia.

2) QUAIS ERVAS NÃO DEVEM SER UTILIZADAS DURANTE A QUIMIOTERAPIA

Muitas ervas possuem propriedades farmacológicas, podendo assim causar interações com o tratamento quimioterápico. Segue uma lista das ervas que NÃO devem ser tomadas por pacientes EM USO DE QUIMIOTERAPIA:


ALHO
GINKGO BILOBA
 EQUINÁCEA
 SOJA
 PANAX GINSENG
 ERVA DE SÃO JOÃO
 VALERIANA
 KAVA
 SEMENTE DE UVA
 CHÁ VERDE
 ESSIAC
 MILK THISTLE
 BERBERINA
    COGUMELOS





Nenhum comentário: